Pecuária de Presidente Figueiredo é referência no Amazonas em cuidado com o meio ambiente e produtividade

Pastejo rotacionado, usado no município, reduz significativamente a área desmatada, o solo se recupera mais rápido e a produtividade por hectare subiu de quatro para até 150 litros de leite por dia

Reduzir o desmatamento, proteger a biodiversidade e aumentar a produtividade do rebanho foram os principais atrativos que fizeram com que a prefeitura de Presidente Figueiredo, por intermédio da Secretaria Municipal de Abastecimento e Desenvolvimento Agrícola, Aquícola e Pesqueiro (Semada), incluísse a técnica de pastejo rotacionado, na carta de serviços de assistência prestados aos pequenos produtores da agricultura familiar do município.

Em pouco mais de dois anos, os resultados positivos do pastejo rotacionado, além ganhar a adesão de novos produtores locais, ultrapassaram as fronteiras do território figueiredense e têm atraído gestores públicos e pecuaristas de outros municípios que vêm ao município conhecer de perto como funciona o projeto exitoso.

A titular da Semada, Inês Sampaio, explica que a técnica do pastejo rotacionado, chegou a ser ofertada pela prefeitura de Presidente Figueiredo em determinado momento, no passado, mas, o projeto não prosperou, e só foi retomado na gestão da prefeita Patrícia Lopes e do vice-prefeito Anderson Leal.

“A decisão da gestão foi acertada. Por meio de uma parceria com o Sebrae Amazonas, voltamos a disponibilizar aos produtores a assistência técnica necessária para que pudessem adotar a tecnologia do pastejo rotacionado, desenvolvida pela Embrapa, e os resultados foram extremamente satisfatórios. Ao invés de desmatar novas áreas, o produtor trabalha nas áreas de pastagem já existentes, que é dividida em três ou mais piquetes – dependendo do tamanho – que são submetidos a períodos alternados de pastejo e descanso. Assim, enquanto uma pastagem está em uso, outras estão em descanso, sendo preparadas com adubo e aguardando o tempo necessário para o crescimento ideal das plantas, reestruturando a sua recuperação e respeitando o período de desenvolvimento do pasto, e área desmatada é infinitamente menor”, afirma a secretária.

O engenheiro agrônomo Vanderley Tavares, consultor do Sebrae Amazonas, acrescenta que o uso do pastejo rotacionado permite, por exemplo, que numa área de um hectare, onde no sistema convencional, a produção era de pouco mais de 4 litros de leite, por dia, com a intensificação das pastagens, produção está, atualmente, entre 80 a 150 litros de leite.

“A intensificação é totalmente necessária no Amazonas, porque leva em conta a preservação do meio ambiente e o aumento da produção. A grande diferença está na terra, em como se recupera o solo e o torna produtivo”, destaca.

Caravana de Manacapuru

Na segunda semana de janeiro deste ano, uma caravana de agentes públicos e pecuaristas de Manacapuru, capitaneada pelo prefeito do município, Beto D`Ângelo, estiveram em Presidente Figueiredo para uma visita técnica em algumas propriedades que utilizam o pastejo rotacionado.

“Nós viemos buscar o conhecimento aqui no município, uma vez que Presidente Figueiredo tem dado um passo muito importante na produção de corte e de leite e essa expertise nós queremos levar para Manacapuru. Trouxemos vários produtores e estamos saindo muito satisfeito pela receptividade e pelo o que encontramos aqui”, afirmou o prefeito, que fez questão de parabenizar a prefeita Patrícia Lopes pelo trabalho desenvolvido.

Além dos pecuaristas, o deputado estadual Cristiano D’ Ângelo também participou da visita técnica. O parlamentar, recém-eleito para o primeiro mandato na Assembleia Legislativa, se disse impressionado, positivamente, com os investimentos no setor primário que vêm sendo feitos pela prefeitura de Presidente Figueiredo, em especial junto aos pequenos produtores familiares, e se colocou a disposição no parlamento “para ajudar no que puder”.

O vereador Ronaldo Macarrão, líder da prefeita Patrícia Lopes na Câmara Municipal, esteve ao lado da secretária Inês Sampaio e da equipe técnica da Semada, na recepção à caravana de Manacapuru durante a visita técnica.

O grupo visitou quatro empreendimentos de produção de carne e leite. Em todos eles, além de conversar com os proprietários e tirar dúvidas com eles e a equipe técnica da Semada, puderam visitar in loco áreas de pastagem dos animais.

Pastejo rotacionado

A técnica desenvolvida pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) consiste em criar um sistema para dividir a pastagem bovina em áreas pré-definidas (piquetes), o que garante mais nutrição do rebanho e promove a renovação do pasto, resultando em um solo conservado e produtivo.

A ocupação periódica das pastagens, além de aumentar a produção animal por hectare, um passo importante para conquistar boas respostas na pecuária, setor tão importante economicamente para o país, minimiza a pressões sobre os recursos naturais, porque reduz significativamente o desmatamento com o aproveitamento das áreas de pastagem já existentes.

Fotos: Raimundo Paixão